Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2011

Não concordo que a idade seja um posto, nem que seja sinónimo de sabedoria. Há pessoas a quem a idade não traz mais do que um conjunto de experiências mal aproveitadas e um dúzia de rugas. Pessoas que não evoluem, que não aprendem com o passado, que nao aproveitam o presente e que nada fazem para melhorar no futuro.

Mas tenho que concordar que o passar do tempo nos altera e faz, essencialmente, perder a inocência. Se olhar para este ano de 2010, é isso que sinto. E não "falo" com qualquer tipo de mágoa ou tristeza. Muito pelo contrário: quando menos ingénua me sinto, mas aumenta o meu gosto pela minha própria pessoa e pela vida, numa espécie de proporcionalidade inversa.

No trabalho vale a bela quadra do conterrâneo Aleixo: Não sei porque razão, certos homens a meu ver, quanto mais pequenos são, maiores querem parecer. Então se substituirmos homens por mulheres, enquadra-se na perfeição (isto porque trabalho com apenas um homem no meio de dezenas de mulheres). Pessoas pequeninas e mesquinhas, que não lucram rigorosamente nada com o mal dos outros, mas que não se coíbem em fazê-lo deliberadamente, e são recompensadas por isso. Alegra-me acreditar na lei do eterno retorno, e crer piamente que um dia pagarão pelo mal que emanam. E os que fingem trabalho incasável e sobrelotação de casos, papeis e outras coisas que tais, os permanentemente indisponíveis pela sobrecarga de que são vitimas. Os que não riem, nem conversam, nem convivem porque estão sempre tão cheios de coisas para fazer, alcançam o seu lugar de excelência, em detrimento do ócio dos que até riem, até falam, e até se demonstram disponíveis quando é necessário. Desocupadas as almas que encontram espaço para alguma alegria no trabalho. Conclusão: o marketing pessoal é tudo na vida. Não interessa o que sou de facto, o que faço, mas sim aquilo que mostro ser e mostro fazer.  Aprendizagem encaixada! Salva-me a bolha de pessoas que realmente valem a pena e é também por elas que, definitivamente, eu adoro-me tal como sou.

As amizades vão, vêm, vivem ou simplesmente sobrevivem. Já passou a fase das crises existenciais. Tudo muda, custe ou não custe. Neste momento sei com quem posso contar, mas também sei que aquilo em que acredito hoje pode desiludir-me amanhã. Não faço mais dramas relativamente a essa questão, porque sei que terei sempre amigos por perto. Decididamente faço parte do PISSA (Pessoas Incapazes de Sobreviver Sem Amigos - influências facebookianas) e cheira-me que isto não mudará assim tão facilmente.

As relações... ai as relações. Tenho um sério problema: sei o que quero. E por mais que me deixe apanhar pelos sentimentos, continuo a saber o que quero. Talvez seja coisa capaz de assustar os mais perdidos. Quem não aguentar comigo, nem sequer se chegue perto. Sou demasiado independente para me deixar prender a quem não me arrebate por completo. Dou o que tenho para dar, e dou muito. Mas não dou amor próprio nem auto estima. Esses levaram-me demasiado tempo a conseguir para deixar na mão de quem quer que seja. Não me arrependo de nada, nunca me arrependi. O segredo é saber onde é o início, o meio e o fim. Hoje sou mais desconfiada? Sou. Já me fizeram acreditar em não verdades, e isso vai magoando. Mas é coisa que não me impede de seguir em frente e estar com quem me apetece, quando me apetece e como me apetece. Regalias que os tempos modernos permitem.

O corpo. Esta é a melhor parte hoje, porque ao longo dos meus quase 28 ans de existência, sempre foi a pior. Não, não fiz mais nenhuma dieta milagrosa, não perdi os pelo menos 10kg que tenho a mais. E? E nunca me senti tao bem comigo como me sinto hoje em dia. Ok, eu devia perder os benditos 10kg? Devia sim senhor. Esforço-me para isso? Esforço-me sim senhor. Mas há 2 coisas que eu nunca mais farei na vida: adiar o que quer que seja para quando for magra e tomar o que quer que seja para emagrecer. Ah, e também não voltarei a olhar para o chão enquanto ando na rua. Este é o corpo que me permite viver tudo o que quero viver, e cabe-me amá-lo perdidamente!

 

E depois deste texto assim a dar para o egocêntrico, o desafio é encontrar um tal de equilíbrio entre o eu, o tu, o ele, o nós, o vós e o eles. Ele anda por aí, e como diz o povo, quem procura sempre alcança.

 

PS: não tem nada a ver, mas eu já referi que uma das coisas que me apoquenta, esteja eu sozinha ou acompanhada, é o dia de S. Valentim e as suas pirosices em tons de vermelho sangue? Se não disse, aqui fica o manifesto!



apoquentado por Béu às 15:05 | linque da apoquentação | mandar pitafe

2 pitafes:
De Gadjet a 4 de Fevereiro de 2011 às 22:43
Lindo :) Simplesmente lindo. E é por isto que eu te amo :) Muito. Linda!


De Béu a 21 de Março de 2011 às 16:57
E eu a ti! :) *


mandar pitafe acerca da aopquentação

mais sobre mim
Julho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


apoquentações fresquinhas

The end

Se a perfeição existe...

Setembro 2011

Every teardrop is a water...

Meia de proposta

Fecha a porta, que faz co...

O meu favorito do mestre ...

Para quem não acredita qu...

Dancing terapia queen

Faz hoje 7 anos

past

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

a gata

alentejo

amizade; morte

analogias

aniversário

balanço

carnaval

coisas

coisas boas

coisas que irritam

comida

crises existenciais

desabafos

férias

filmes

homens

inspira-me

mina

mina a gata

natal

nomes

nostalgia

observações

país

pessoas

primavera; flor

prisão

saudades

signos

sócrátes

testes

trabalho

viagens

todas as tags

os mais espectaculares

Ensaio sobre a bestialida...

E se um dia

Líquidos

Liberdade?

Domingo à tarde

?

Avô Hique

Ode parte I

A sazonalidade

Noites dedilhadas...

linques
blogs SAPO
subscrever feeds