Domingo, 2 de Setembro de 2007
Disse-me ela, em jeito de desafio: lembrei-me da mensagem que escreveste, onde dizias não perceber como é que passaste de bestial a besta em tão pouco tempo, e lembrei-me que comigo também aconteceu o mesmo, e conheço muitas mais bestiais com história idênticas. Não queres escrever alguma coisa sobre isso? (…) tu, que ainda tens alguma emocionalidade, ao contrário de mim, que já estou amocional. E eu aceitei.
Talvez seja importante contextualizar que falamos de relações amorosas, e dos de repentes de determinados seres que nos elevam à condição de rainhas durante certo período de tempo, seja ele mais ou menos prolongado, e que, de um dia para o outro (literalmente), se despedem de nós, sem despedidas. Tipo “preciso de um tempo para pensar”, ou “estou a passar por um período muito mau e acho que vai ser melhor para ti”, ou ainda ”estou confuso e não sei muito bem se é isto que eu quero”… Dizemos, ou pensamos nós, ainda atropeladas pela surpresa: “mas oh mor, ainda ontem estávamos a passear de mãos dadas; ou, tenho uma mensagem guardada em que me repetias que eu era a luz dos teus olhos, e isso não foi há mais de 3 dias;ou ainda, então, quando conseguimos finalmente um orgasmo ao mesmo tempo, é que precisas de reflectir?”
Confesso que a azia que me dá nestas situações é pensar: “Mas porque é que não me anticipei?” Sim, não é a decisão em si que me aflige, até porque o meu lado amoroso ainda não me permitiu acreditar em relações eternas. O que chateia é a forma como estas almas nos deixam num altar que não queríamos, mas que eles fizeram questão de nos criar, e saem porta fora, sem sequer um adeuzinho timido, de quem fez porcaria e foge de fininho. E nós ali, tácitas, vemo-los correr num espalhafato de liberdade que nunca deixaram de ter, e no meu caso ainda acrescenta, mesmo à saída da porta ”tu torras a cabeça a um homem!”… “Oh mor, mas e o orgasmo de ontem à noite?”, penso…
Bem, aproveito o trono para deixar cair o corpo rijo de sobressalto… Mas afinal, o trono é de espuma e… Puff, chão com o cóxis! E vai doendo, porque o osso é sensivel e a maleita é daquelas moínhas que, volta não volta, acena para marcar presença. Mas a coisa vai-se compondo, com a mão esquerda a ser agarrada pela direita, e vice versa, quando atacam as tentações de contactos descabidos, instantaneamente traduzidos em humilhações. E quando toda a ossada se parece reerguer a custo da traiçoeira queda, eis que outro fenómeno acontece: por este ou aquele motivo, um dos meios de contacto começa a piscar, vibrar, zinir. E as letras tomam aquela configuração que até já me tinha convencido que não queria ver mais… (mentira… de vez em quando o cóxis ainda acena). Vem escrito, vem falado, vem respirado, vem um discurso de ex colegas que se reencontram nas superficialidades das suas vida. E no meio das insignificâncias vem um “tu continuas bestial, eu é que sou uma besta” e o apogeu é “tu mereces melhor!”. Deixo cair o corpo rijo no trono… mas o trono é de espuma! O cóxis esse, sofre um pouco mais. Que lhe valha o anterior ensaio.
Sim, sou bestial e nunca deixei de o ser, e quanto a merecer melhor, sim mereço. Continuo sem perceber os de repentes, mas cada vez isso é menos importante. Contudo, nos entretantos, continuo a lembrar do orgasmo de há 3 meses atrás!

(escrito há cerca de 2 meses)


apoquentado por Béu às 00:51 | linque da apoquentação

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Julho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


apoquentações fresquinhas

The end

Se a perfeição existe...

Setembro 2011

Every teardrop is a water...

Meia de proposta

Fecha a porta, que faz co...

O meu favorito do mestre ...

Para quem não acredita qu...

Dancing terapia queen

Faz hoje 7 anos

past

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

a gata

alentejo

amizade; morte

analogias

aniversário

balanço

carnaval

coisas

coisas boas

coisas que irritam

comida

crises existenciais

desabafos

férias

filmes

homens

inspira-me

mina

mina a gata

natal

nomes

nostalgia

observações

país

pessoas

primavera; flor

prisão

saudades

signos

sócrátes

testes

trabalho

viagens

todas as tags

os mais espectaculares

Ensaio sobre a bestialida...

E se um dia

Líquidos

Liberdade?

Domingo à tarde

?

Avô Hique

Ode parte I

A sazonalidade

Noites dedilhadas...

linques
blogs SAPO
subscrever feeds