Domingo, 8 de Novembro de 2009

A Mina, a minha gata companheira de Ap, tornou-se na melhor forma das minhas queridas vizinhas tentarem tirar nabos da púcara acerca da minha vida:

 

Vizinha do 4º (aquela da vida sexual barulhenta) - Ah vizinha, a gatinha é uma companhia que tem não é? Quer dizer, não sei se é casada... (tempo para a resposta)

Eu - Pois, não, não sou.

Vizinha do 4º (aquela da vida sexual barulhenta): Ah pois, então é mesmo uma companhia.

Eu - Ah, não se preocupe que eu tenho muitas companhias (risos)

 

9:30 da manhã:

Senhora da limpeza das escadas: Bom dia!

Eu: Bom dia!

Senhora da limpeza das escadas: Então com quem fica a sua gatinha agora?

Eu: Fica sozinha.

Senhora da limpeza das escadas: Ah, já tá habituada a ficar sozinha não é?

Eu: É. Até logo.

 

Ora bem, eu sou uma pessoa que não tem problema nenhum em falar da sua própria vida. Aliás, o problema é precisamente o contrário, muitas vezes falo demais. Mas há um pormenor: é que falo quando quero, com quem quero e sobre o que eu quero. E por norma não há necessidade de me fazerem perguntas. Falo espontaneamente. Todas as outras formas de tentar saber mais sobre mim deixam-me profundamente irritada.

E se há coisa que eu não quero é tentar explicar às minhas middle age vizinhas que o meu objectivo de vida nunca foi estudar, voltar para a terrinha onde toda a gente me conhece a mim e à minha familia até à 5ª geração antes de mim, arranjar um emprego estável, um rapazinho como deve de ser, comprarmos uma casinha, procriar, trocar o carro por um familiar e fazer passeios ao domingo no campo.

Por isso sim, eu vivo sozinha com uma gata, numa casa alugada, a 12km do conforto da casa dos meus pais, onde não teria que levar a roupa, cozinhar ou pagar contas ao fim do mês; gosto do que faço, mas sei que quero mudar; preocupo-me muito mais com o presente do que com o futuro (o que não é necessariamente bom); tenho muitas crises existenciais e passo o tempo a perder-me e a tentar encontrar-me. Estou a aprender a disfrutar do que tenho, para assim que me sentir pronta, sair daqui para outro sitio qualquer, porque a vida é demasiado pequena e o mundo excessivamente grande. Luto todos os dias contra a acomodação da vidinha, numas alturas com mais sucesso, noutras com menos. E abro a porta da minha casa a viajantes que não conheço de lado nenhum, mas que me mostram que é possível viver de muitas maneiras, e que se pode ambicionar muita coisa diferente de uma vivenda geminada e de um monovolume estacionado à porta.

Cada pessoa faz as suas escolhas, estabelece as suas prioridades. Não há certos nem errados, há simplesmente modos de viver diferentes.

Talvez um dia, talvez num futuro não tão distante como agora o sinto, eu queira todas essas coisas que neste momento não me dizem nada. Mas este é o meu tempo, é o meu ritmo...

Acho que seria complicado explicar isto às minhas vizinhas. Should I feel like an allien?

 



apoquentado por Béu às 11:06 | linque da apoquentação

De a 11 de Novembro de 2009 às 17:28
Claro que não! As tuas vizinhas que vão levar na anilha! Era o que faltava!


Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Julho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


apoquentações fresquinhas

The end

Se a perfeição existe...

Setembro 2011

Every teardrop is a water...

Meia de proposta

Fecha a porta, que faz co...

O meu favorito do mestre ...

Para quem não acredita qu...

Dancing terapia queen

Faz hoje 7 anos

past

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

a gata

alentejo

amizade; morte

analogias

aniversário

balanço

carnaval

coisas

coisas boas

coisas que irritam

comida

crises existenciais

desabafos

férias

filmes

homens

inspira-me

mina

mina a gata

natal

nomes

nostalgia

observações

país

pessoas

primavera; flor

prisão

saudades

signos

sócrátes

testes

trabalho

viagens

todas as tags

os mais espectaculares

Ensaio sobre a bestialida...

E se um dia

Líquidos

Liberdade?

Domingo à tarde

?

Avô Hique

Ode parte I

A sazonalidade

Noites dedilhadas...

linques
blogs SAPO
subscrever feeds