Domingo, 17 de Abril de 2011

Se me perguntassem qual é o meu maior objectivo na passagem pela terra, eu responderia, sem sombra de dúvida, ter histórias para contar. Chegar ao fim do meu tempo por cá (de preferência muito muito velhinha) e ter muitas histórias para contar. Histórias que pudessem de alguma forma mostrar que a vida é demasiado intensa para nos deixarmos intimidar por limites toscos, que muitas vezes são impostos por outros, por medos infundados ou por puro comodismo. Quando penso nisto, lembro-me sempre em duas situações. Penso na minha avó já falecida, que ficou senil depois de uma operação e que falava metade do tempo em fazer o jantar e ir para a horta e a outra metade em bórdeis e ir com homens para trás das moitas. De alguma forma, dentro do contexto de ser-se mulher em S. Brás de Alportel há 60 anos atrás, parece-me que ela ainda deve ter feito umas maluquices, pelo menos com o meu avô :) E penso numa conversa que tive, há uns aninhos atrás com uma amiga, em que ela me dizia que nós éramos de facto privilegiadas por viver nos tempos de hoje e até no país em que vivemos, porque nos é permitido fazer tudo, podemos ser o que quisermos e viver tantas e tantas coisas. 

Também me acomodo, claro que sim. Também já me deixei intimidar pelas pressões sociais, também já me limitei pelos meus complexos, também já perdi pelo medo e pelo receio. Mas tento ultrapassar-me sempre, umas vezes com muito esforço, outras só com um empurrãozinho. Há quem diga com orgulho "sou assim e nunca vou mudar". Eu digo com o mesmo orgulho "sou assim, gosto muito de mim, mas se for para ficar melhor, mudo". Quando penso no que era há uns anos atrás e no que sou agora, não posso deixar de me sentir bem, de me sentir orgulhosa. Ultrapassei muitos obstáculos, na sua maioria criados por mim. Pode parecer fácil ultrapassar barreiras criadas por nós, mas são dificeis; não dá para culpar ninguém a não ser o próprio. É um caminho que se faz a andar, sem dúvida. E luta-se muito. Mas quando se olha para o passado e para o presente, vale a pena. 

É como uma casa remodelada, em que a estrutura se mantém, mas muda-se a decoração. Quando se entra continua a saber-se onde é a sala, o quarto ou a cozinha, mas mudaram-se os cortinados, pintaram-se as paredes, tiraram-se os cães de loiça, o menino da lágrima e o candelabro. Ficou melhor, mas o trabalho está sempre inacabado, porque há sempre algo a melhorar :)

E isto tudo para dizer que ontem superei-me uma vez mais. Lá fui saltar de pára-quedas. Saliente-se que eu tenho medo de andar de avião, e para quem padece deste mal, ver pessoas a saírem disparadas a 4200m de altura não foi pêra doce. Especialmente porque a seguir fui eu... As horas antes são agridoces. Dá aquele nervoso ao qual parece que não vou sobreviver, a prisão de ventre fica esquecida por um tempo, há entusiasmo, as mãos não param de suar... and so on. E depois lá vamos para dentro daqueles aviõezinhos que parecem de brincar e sobe, sobe sobe. Abre-se a porta, e puff, queda livre durante um minuto. Logo quando saí, esqueci-me da pernas baralhei-me toda com a posição. Mas depois a coisa compôs-se e era só ar, ar e mais ar. E o verde da planície lá em baixo. Não há pensamento, acho eu. Ou pelo menos não me lembro. Entretanto o pára-quedas abre e tudo faz sentido. Eu acho que me senti mais segura no pára-quedas do que a andar de avião. Está-se lá em cima, desfruta-se da magnifica paisagem, do ar que é diferente e parece que nada pode correr mal. O pássaros são uns privilegiados, sem dúvida. 

Se alguém tiver vontade e uma pontinha de dúvida, esqueça a dúvida. E se tiver dúvida e um pontinha de vontade, esqueça a dúvida também. Voar é fantástico!

E soma-se mais um história para contar!



apoquentado por Béu às 08:36 | linque da apoquentação

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Julho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


apoquentações fresquinhas

The end

Se a perfeição existe...

Setembro 2011

Every teardrop is a water...

Meia de proposta

Fecha a porta, que faz co...

O meu favorito do mestre ...

Para quem não acredita qu...

Dancing terapia queen

Faz hoje 7 anos

past

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

a gata

alentejo

amizade; morte

analogias

aniversário

balanço

carnaval

coisas

coisas boas

coisas que irritam

comida

crises existenciais

desabafos

férias

filmes

homens

inspira-me

mina

mina a gata

natal

nomes

nostalgia

observações

país

pessoas

primavera; flor

prisão

saudades

signos

sócrátes

testes

trabalho

viagens

todas as tags

os mais espectaculares

Ensaio sobre a bestialida...

E se um dia

Líquidos

Liberdade?

Domingo à tarde

?

Avô Hique

Ode parte I

A sazonalidade

Noites dedilhadas...

linques
blogs SAPO
subscrever feeds